Em setembro 2021

Proveitos de aposento no alojamento turístico apresentam máximo histórico daquele mês, apesar de as dormidas terem ficado ligeiramente aquém do valor de 2019

As estimativas referentes a setembro de 2021 revelam que 79,8% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (90,6% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (86,6%), seguido do turismo no espaço rural com 81,3% e do alojamento local com 79,2%.

No mês de setembro de 2021, estimou-se um total de 765,7 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo de 171,6% em comparação com o mês homólogo (281,9 mil dormidas em setembro de 2020). Apesar deste aumento, o número de dormidas ainda está abaixo dos valores apurados em setembro de 2019 (777,8 mil dormidas).

De sublinhar que as dormidas do alojamento turístico (excluindo o alojamento local com menos de 10 camas) apresentaram um acréscimo de 175,4% relativamente a setembro de 2020, superior ao observado no país (+58,4%). Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos bastante expressivos em setembro de 2021, de 208,7% e 223,2%, respetivamente, fixando-se em 42,1 e 28,3 milhões de euros, pela mesma ordem. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações positivas de 74,6% e 74,9%, respetivamente.

A hotelaria concentrou 81,2% das dormidas, crescendo 178,4% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 148,6%, congregando 16,5% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação, observou apenas 2,3% das dormidas, correspondendo a um acréscimo de 127,8%.

De janeiro a setembro de 2021, as dormidas no total do alojamento turístico na Região registaram um incremento de 49,9% comparativamente ao período homólogo, rondando os 3,2 milhões de euros, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram aumentos de 71,7% e 77,5%, respetivamente.

Analisando os principais mercados emissores, em setembro de 2021, observaram-se aumentos homólogos bastante significativos. O mercado francês registou um crescimento de 317,6%, seguido do mercado britânico (+189,8%) e do mercado alemão (+148,2%). O mercado nacional acompanhou a mesma tendência, registando +89,4% dormidas. Em termos acumulados (de janeiro a setembro de 2021), à exceção do mercado alemão, que registou uma quebra, de -20,0% de dormidas, os principais mercados emissores apresentaram crescimentos homólogos nesta variável. O mercado português apresentou o incremento mais expressivo, de +109,4%, acompanhado do mercado francês e britânico, com aumentos de 98,4% e de 22,6%, respetivamente.

Comparando o período de referência com setembro de 2019, a atividade no alojamento turístico ainda apresenta um decréscimo de 1,6% nas dormidas, com o mercado francês a registar a quebra mais acentuada, de -36,1%, seguido do alemão com -29,4% e do britânico com -1,4%. O mercado nacional manteve a variação positiva que se tem verificado nos últimos meses, superando, também, os valores de setembro dos anos anteriores (+66,3% comparativamente a setembro de 2019).

O valor da estada média no mês de setembro registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,61 noites), fixando-se nas 5,10 noites.

A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência foi de 66,7%, 35,9 pontos percentuais (p.p) acima do observado no mês homólogo (30,8%). Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 74,9% (34,7% em setembro de 2020).

No mês de setembro de 2021, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 58,86 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +159,5% que no mesmo mês do ano precedente. Comparativamente aos valores de setembro de 2019, o RevPar registou um aumento de 13,4% (51,88 euros em setembro de 2019).

Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) no alojamento turístico passou de 65,32€ em setembro de 2020 para 78,56€ em setembro de 2021 (+20,3%).

Número de voltas realizadas nos campos de golfe da Região nos primeiros nove meses de 2021 com quebra de 19,9%

O inquérito aos campos de golfe revela a realização de 23 210 voltas nos três campos de golfe da RAM, entre janeiro e setembro de 2021 (-19,9% que no período homólogo), tendo esta atividade gerado cerca de 1,0 milhões de euros de receitas, +4,9% que nos primeiros nove meses de 2020. 50,2% das voltas foram realizadas por não sócios, provenientes na sua maioria de Portugal, Reino Unido, Países Nórdicos e Alemanha. Os próprios campos de golfe venderam 49,4% das voltas, os operadores turísticos 26,3% e os restantes 24,3% foram transacionados pelos estabelecimentos hoteleiros e afins.

Portos da RAM com registo de apenas 4 navios de cruzeiro até setembro de 2021

A pandemia continua a afetar fortemente o negócio do turismo de cruzeiros, sendo que de acordo com os dados fornecidos pela Administração dos Portos da RAM, aportaram na Região apenas 4 navios de cruzeiro até final de setembro de 2021, com o número de passageiros em trânsito a não ultrapassar os 86.

Estatísticas do Turismo na RAM

 


Em agosto de 2021

Dormidas do alojamento turístico da RAM recuperaram ficando apenas 4,4% abaixo dos valores do mesmo mês de 2019

As estimativas referentes a agosto de 2021 revelam que 80,6% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (91,7% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (84,6%), seguido do alojamento local com 80,3% e do turismo no espaço rural com 79,7%.
No mês de agosto de 2021, estimou-se um total de 875,9 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo de 210,9% em comparação com o mês homólogo (281,7 mil dormidas em 2020). Apesar deste aumento, o número de dormidas em agosto de 2021 ainda está 4,4% abaixo dos valores apurados em agosto de 2019 (916,5 mil dormidas), mas é superior ao de agosto de 2015. Indiscutivelmente, agosto de 2021 é desde o início da pandemia não só aquele que apresenta o maior número de dormidas, mas também o que demonstra menos redução face ao ano pré-pandemia de 2019.
De sublinhar que excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 226,3% relativamente a agosto de 2020, superior ao observado no país, que foi de 47,6%. Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos bastante expressivos em agosto de 2021, de 284,2% e 297,3%, respetivamente. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações positivas de 58,6% e 59,7%, respetivamente.
A hotelaria concentrou 80,6% das dormidas, crescendo 241,5% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 130,5%, congregando 17,2% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação, que absorveu apenas 2,3% das dormidas, correspondeu a um acréscimo de 101,8%.
De janeiro a agosto de 2021, as dormidas no total do alojamento turístico na Região registaram um incremento de 31,7% comparativamente ao período homólogo, rondando os 2,5 milhões, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram aumentos de 50,4% e 55,2%, respetivamente.
Analisando os principais mercados emissores, verificaram-se aumentos bastante significativos comparativamente ao período homólogo. O mercado britânico registou um crescimento de 492,0%, seguido do mercado francês (+239,1%) e do mercado alemão, com um aumento de 93,7%. O mercado nacional registou, comparativamente a agosto de 2020, +88,5% de dormidas em 2021. Em termos acumulados (de janeiro a agosto de 2021), o mercado alemão registou a maior quebra, com -39,7% de dormidas, seguido do mercado britânico com um decréscimo de 2,2%. O mercado português e o francês apresentaram, ao contrário dos outros mercados e para o mesmo período, crescimentos de 117,0% e de 75,6% relativamente ao período homólogo, respetivamente.
Comparando o período de referência com agosto de 2019, a atividade no alojamento turístico ainda apresenta, como atrás referido, um decréscimo de 4,4% nas dormidas, com o mercado alemão a registar a quebra mais acentuada, de -43,3%, seguido do francês com -38,9% e do britânico com -1,3%. O mercado nacional manteve a variação positiva que se tem verificado nos últimos meses, superando, também, os valores de agosto dos anos anteriores (+66,5% comparativamente a agosto de 2019).
O valor da estada média no mês de agosto registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,31 noites), fixando-se nas 5,13 noites.
A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência foi de 72,6%, 43,1 pontos percentuais (p.p) acima do observado no mês homólogo. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 78,5%.
No mês de agosto de 2021, o RevPAR rondou os 72,43 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +212,6% que no mesmo mês do ano precedente e +33,0% que no mês anterior. Comparativamente a agosto de 2019, o valor do RevPar registou um aumento de 22,6% (59,09 euros em agosto de 2019).
Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) passou de 75,70€ em agosto de 2020 para 92,21€ em agosto de 2021 (+21,8%).

 

Estatísticas do turismo na RAM


Em julho de 2021

Dormidas do mercado nacional apresentaram máximo histórico daquele mês

As estimativas referentes a julho de 2021 revelam que 67,0% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (80,8% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que o turismo no espaço rural foi o que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (81,3%), seguido da hotelaria com 79,1% e do alojamento local com 65,6%.

No mês de julho de 2021, estimou-se um total de 606,2 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo de 419,3% em comparação com o mês homólogo (no qual o movimento de hóspedes ainda era extremamente baixo devido às medidas restritivas de controlo da pandemia). Apesar deste aumento, o número de dormidas em julho de 2021 ainda está abaixo dos valores apurados em julho de 2019 (829,1 mil dormidas). De sublinhar que excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 470,5% relativamente a julho de 2020, superior ao observado no país, que foi de 71,9%. Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos bastante expressivos em julho de 2021, de 579,0% e 597,1%, respetivamente. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações positivas de 87,0% e 81,0%, respetivamente.

A hotelaria concentrou 80,3% das dormidas, crescendo 524,0% em termos homólogos. Destaca-se o facto, de que no mês de julho do ano anterior, este segmento manteve 37,1% dos estabelecimentos abertos, originando apenas 78,0 mil dormidas. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 220,9%, congregando 17,4% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação, reuniu apenas 2,3% das dormidas, correspondendo a um acréscimo de 137,0%.

De janeiro a julho de 2021, as dormidas no total do alojamento turístico na Região registaram um decréscimo de 1,1% comparativamente ao período homólogo, rondando os 1,6 milhões, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram aumentos de 9,7% e 11,4%, respetivamente.

Analisando os principais mercados emissores, verificaram-se aumentos bastante significativos comparativamente ao período homólogo. O mercado britânico registou um crescimento de 3 631,3%, seguido do mercado francês (+710,1%). Já o mercado alemão, contrariou essa tendência, com uma quebra de 16,0%. O mercado nacional registou, comparativamente a julho de 2020, +225,7% de dormidas em 2021. Em termos acumulados (de janeiro a julho de 2021), o mercado alemão registou a maior quebra, com -55,9% de dormidas, seguido do mercado britânico com um decréscimo de 42,4%. Os mercado português e francês apresentaram, ao contrário dos outros mercados e para o mesmo período, crescimentos de 134,3% e de 31,0% relativamente ao período homólogo, respetivamente.
Comparando o período de referência com julho de 2019, a atividade no alojamento turístico ainda apresenta relativamente ao número de dormidas um decréscimo de 26,9%, com o mercado alemão a registar a quebra mais acentuada, de -85,3%, seguido do francês com -46,5% e do britânico com -26,1%. O mercado nacional manteve a variação positiva que se verificou no mês de junho, superando, também, os valores de julho de 2019 (+58,9%). Com efeito o número de dormidas do mercado português em julho de 2021 constituiu um máximo histórico.
O valor da estada média no mês de julho registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (3,98 noites), fixando-se nas 4,74 noites.
A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência rondou os 56,6%, 42,7 pontos percentuais (p.p) acima do observado no mês homólogo. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 60,5%.

No mês de julho de 2021, o RevPAR fixou-se nos 54,67 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +411,0% que no mesmo mês do ano precedente e +74,8% que no mês anterior. Se se comparar com os valores de julho de 2019, o valor do RevPar registou um aumento de 4,4% (52,35 euros em julho de 2019), invertendo a tendência dos meses anteriores.
Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) passou de 71,19€ em julho de 2020 para 90,40€ em julho de 2021 (+27,0%).

Indicadores de Turismo da RAM

Start typing and press Enter to search