Nos primeiros onze meses de 2022

Dormidas ultrapassaram os 8,9 milhões, garantindo novo máximo anual

As estimativas, referentes a novembro de 2022, revelam que 84,6% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos com movimento de hóspedes (90,4%), seguida do alojamento local, com 84,4%, e do turismo no espaço rural, com 79,4%.

No mês de novembro de 2022, o número de dormidas no alojamento turístico aproximou-se dos 731,2 mil, traduzindo um acréscimo de 26,1%, em comparação com o mês homólogo (579,8 mil dormidas em novembro de 2021).

Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 21,7% relativamente a novembro de 2021, superior ao observado no País, que foi de 19,4%. Os proveitos totais e os de aposento, em novembro de 2022, apresentaram crescimentos homólogos de 25,6% e 30,8%, respetivamente, fixando-se, pela mesma ordem, nos 36,3 e 25,0 milhões de euros. No País, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações homólogas positivas, de 36,8% e 40,3%, pela mesma ordem.

A hotelaria concentrou 77,6% (567,1 mil) do total das dormidas de novembro de 2022, crescendo 20,3% em termos homólogos, enquanto o turismo no espaço rural (2,3% do total) cresceu 20,6% e o alojamento local (20,1% do total), 55,6%.

Analisando as dormidas nos principais mercados emissores, verificaram-se variações homólogas positivas. Nos mercados estrangeiros, o britânico sobressaiu, registando o crescimento mais elevado, de 21,8%, seguido dos mercados francês e alemão, com aumentos de 16,9% e 8,4%. No mercado nacional, as dormidas registaram um forte incremento face a novembro de 2021 (+61,9%).

Comparando o período de referência com novembro de 2019 (período pré-pandemia), a atividade no alojamento turístico apresentou um crescimento de 33,5% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um acréscimo de 27,0%. Considerando os principais mercados deste segmento, verificaram-se variações positivas nos mercados francês (+40,7%), britânico (+16,4%) e alemão (+14,1%). O mercado nacional manteve a tendência de crescimento, que se tem observado nos últimos meses (+87,4% face a novembro de 2019).

Em termos acumulados (janeiro a novembro de 2022), considerando as dormidas globais, estima-se que o seu número ascenda aos 8,9 milhões, traduzindo uma variação homóloga de 96,5% e de 16,7% face ao mesmo período de 2019. Apesar de ainda faltar a contabilização das dormidas de dezembro, o acumulado dos primeiros onze meses de 2022 já garante a superação do anterior máximo anual de dormidas (8,4 milhões em 2017).

O valor da estada média, no total do alojamento turístico, no mês de novembro de 2022, registou uma diminuição relativamente ao mesmo mês do ano anterior (5,15 noites), fixando-se nas 4,77 noites.

A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico, no mês em referência, foi de 57,1%, 4,8 pontos percentuais (p.p.) acima do observado no mês homólogo (52,3%). Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 66,8% (60,0% em novembro de 2021).

No mês de novembro de 2022, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 49,26 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +21,2% que no mesmo mês do ano precedente. Comparando com o valor de novembro de 2019 (32,31 euros), verificou-se também um acréscimo, de 52,4%. Se se restringir a análise à hotelaria, aquele indicador evidenciou um acréscimo homólogo de 23,9%, tendo o seu valor se situado nos 53,66 euros (+53,5% que em novembro de 2019).

Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) no alojamento turístico passou de 67,76€, em novembro de 2021, para 73,73€, em novembro de 2022 (+8,8% de variação homóloga).

Estatísticas de turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


Nos primeiros dez meses de 2022

Número de dormidas no alojamento turístico da Região mais que duplicou face ao período homólogo e está 15,5% acima do registo do acumulado de janeiro a outubro de 2019

As estimativas, referentes a outubro de 2022, revelam que 89,9% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos com movimento de hóspedes (93,8%), seguida do alojamento local com 89,8% e do turismo no espaço rural com 84,1%.

No mês de outubro de 2022, o número de dormidas no alojamento turístico aproximou-se dos 902,5 mil, traduzindo um acréscimo de 24,4% em comparação com o mês homólogo (725,5 mil dormidas em outubro de 2021).

Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 20,0% relativamente a outubro de 2021, inferior ao observado no País, que foi de 23,5%. Os proveitos totais e os de aposento, em outubro de 2022, apresentaram crescimentos homólogos de 31,9% e 35,6%, respetivamente, fixando-se, pela mesma ordem, nos 49,6 e 34,5 milhões de euros. No País, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações homólogas positivas, de 48,2% e 50,1%, pela mesma ordem.

A hotelaria concentrou 78,2% (706,1 mil) do total das dormidas de outubro de 2022, crescendo 19,7% em termos homólogos, enquanto o turismo no espaço rural (2,1% do total) cresceu 17,8% e o alojamento local (19,6% do total), 48,3%.

Analisando as dormidas nos principais mercados emissores, verificaram-se variações homólogas bastante positivas. O mercado francês sobressaiu, registando o crescimento mais elevado, de 41,8%, seguido dos mercados britânico e alemão, com aumentos de 20,1% e 16,1%. No mercado nacional, as dormidas também registaram um incremento face a outubro de 2021 (+28,3%).

Comparando o período de referência com outubro de 2019 (período pré-pandemia), a atividade no alojamento turístico apresentou um crescimento de 31,5% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um acréscimo de 20,3%. Considerando os principais mercados deste segmento, verificaram-se variações positivas nos mercados britânico (+18,9%), alemão (+10,0%) e francês (5,5%). O mercado nacional manteve a tendência de crescimento, que se tem observado nos últimos meses (+116,0% face a outubro de 2019).

Em termos acumulados (janeiro a outubro de 2022), considerando as dormidas globais, estima-se que o seu número ascenda aos 8,2 milhões, traduzindo uma variação homóloga de 107,1% e de 15,5% face ao mesmo período de 2019.

O valor da estada média no total do alojamento turístico, no mês de outubro de 2022, registou uma diminuição relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,84 noites), fixando-se nas 4,63 noites.

A taxa de ocupação cama do alojamento turístico, no mês em referência, foi de 63,9%, 3,6 pontos percentuais (p.p.) acima do observado no mês homólogo (60,3%). Por sua vez, a taxa de ocupação quarto atingiu os 73,9% (67,8% em outubro de 2021).

No mês de outubro de 2022, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 62,98 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +25,5% que no mesmo mês do ano precedente. Comparando com o valor de outubro de 2019 (41,52 euros), verificou-se também um aumento, de 51,7%. Se se restringir a análise à hotelaria, aquele indicador evidenciou um acréscimo homólogo de 29,0%, tendo o seu valor se situado nos 69,00 euros (+54,5% que em outubro de 2019).

Por sua vez, o ADR (proveito médio por quarto utilizado) fixou-se nos 85,19 euros, traduzindo um crescimento homólogo de 15,2%. Na hotelaria, este rácio foi de 87,70 euros (+16,0%).                                                                                                                                                                                                                                           

Estatísticas de turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


 

 

Em setembro de 2022

Registo deste mês permitiu que o acumulado dos meses de verão superasse os 3,1 milhões de dormidas no alojamento turístico da RAM

As estimativas, referentes a setembro de 2022, revelam que 91,5% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos com movimento de hóspedes (93,8%), seguida do alojamento local, com 91,6%, e do turismo no espaço rural, com 85,2%.

No mês de setembro de 2022, o número de dormidas no alojamento turístico aproximou-se dos 960,4 mil, traduzindo um acréscimo de 25,0% em comparação com o mês homólogo (768,3 mil dormidas em setembro de 2021). Conforme referiu a DREM na divulgação da estimativa rápida para o mês de referência, embora as dormidas contabilizadas em setembro de 2022 tenham ficado abaixo dos registos de julho e agosto do mesmo ano – nos quais o limiar de 1 milhão foi ultrapassado – aquele valor corresponde ao mais alto de sempre no mês de setembro e ao terceiro registo mensal mais elevado de sempre.

De notar ainda que o total de dormidas nos meses de verão (julho, agosto e setembro) totalizou 3,1 milhões, valor superior, por exemplo a todo o ano de 1993.

Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 20,7% relativamente a setembro de 2021, inferior ao observado no País, que foi de 37,4%. Os proveitos totais e os de aposento, em setembro de 2022, apresentaram crescimentos homólogos de 32,0% e 38,1%, respetivamente, fixando-se, pela mesma ordem, nos 55,1 e 38,9 milhões de euros. No País, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações homólogas positivas, de 70,3% e 74,5%, pela mesma ordem. Tal como sucede nas dormidas, o mês de setembro de 2022 foi de recorde também para os proveitos.

A hotelaria concentrou 78,6% das dormidas (754,8 mil) de setembro de 2022, crescendo 20,1% em termos homólogos. De janeiro a setembro de 2022, este segmento registou igualmente um aumento nas dormidas (+128,9%), fixando-se estas nos 5,7 milhões, ou seja, mais 3,2 milhões face ao mesmo período do ano anterior.

Analisando as dormidas nos principais mercados emissores, verificaram-se variações homólogas bastante positivas. O mercado francês sobressaiu, registando o crescimento mais elevado, de 45,5%, seguido dos mercados alemão e britânico, com aumentos de 41,9% e 12,0%. No mercado nacional, as dormidas também registaram um incremento face a setembro de 2021 (+16,1%).

Comparando o período de referência com setembro de 2019 (período pré-pandemia), a atividade no alojamento turístico apresentou um crescimento de 23,5% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um acréscimo de 13,9%. Considerando os principais mercados deste segmento, verificaram-se variações positivas nos mercados britânico (+16,4%) e alemão (+4,6%), contrariamente ao mercado francês, que apresentou um decréscimo de 7,9%. O mercado nacional manteve a tendência de crescimento que se tem observado nos últimos meses (+78,8% face a setembro de 2019).

O valor da estada média, no total do alojamento turístico, no mês de setembro de 2022, registou uma diminuição relativamente ao mesmo mês do ano anterior (5,15 noites), fixando-se nas 4,91 noites.

A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico, no mês em referência, foi de 72,1%, 4,8 pontos percentuais (p.p.) acima do observado no mês homólogo (67,3%). Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 82,8% (76,3% em setembro de 2021).

No mês de setembro de 2022, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 73,74 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +25,8% que no mesmo mês do ano precedente. Comparando com o valor de setembro de 2019 (51,88 euros), verificou-se também um acréscimo, de 42,1%.

Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) no alojamento turístico passou de 76,80€, em setembro de 2021, para 89,07€, em setembro de 2022 (+16,0% de variação homóloga).

Estatísticas de Turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


 

Em janeiro de 2022

 


Atividade turística na Região registou um crescimento expressivo em termos homólogos

As estimativas referentes a janeiro de 2022 revelam que 74,2% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (86,5% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (84,9%), seguido do alojamento local com 73,5% e do turismo no espaço rural com 70,5%.

No mês de janeiro de 2022, estimou-se um total de 391,9 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo, de 227,7%, em comparação com o mês homólogo (119,6 mil dormidas em janeiro de 2021). É importante realçar que o número de dormidas em janeiro de 2022 ficou 25,6% abaixo do valor apurado no mesmo mês de 2019 (526,7 mil dormidas).

Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 261,4% relativamente a janeiro de 2021, superior ao observado no país, que foi de 185,9%. Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos homólogos muito significativos, em janeiro de 2022, de 253,9% e 265,4%, respetivamente. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações homólogas positivas, de 225,7% e 221,6%, respetivamente.

A hotelaria concentrou 76,3% das dormidas de janeiro de 2022, crescendo 299,4% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 105,8%, congregando 21,4% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação observou apenas 2,3% das dormidas, correspondendo a um acréscimo de 127,6%.

Analisando as dormidas nos principais mercados emissores, verificaram-se variações homólogas bastante positivas. O mercado britânico destacou-se, registando o crescimento mais elevado, de 658,4%, seguido do mercado francês (+105,4%) e do mercado alemão, com um aumento de 67,8%. No mercado nacional, as dormidas também aumentaram face a janeiro de 2021 (+133,6%).

Comparando o período de referência com janeiro de 2019 (período pré-pandemia), conforme referido anteriormente, a atividade no alojamento turístico apresentou uma quebra de 25,6% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um decréscimo de 30,1%. Considerando os principais mercados deste segmento, verificaram-se variações negativas nos mercados francês (-47,6%), alemão (-37,9%) e britânico (-35,1%). O mercado nacional manteve a tendência de crescimento, que se tem observado nos últimos meses (+22,5% face a janeiro de 2019).

O valor da estada média, no total do alojamento turístico, no mês de janeiro de 2022, registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,66 noites), fixando-se nas 5,00 noites.

A taxa de ocupação cama do alojamento turístico, no mês em referência, foi de 33,4%, 19,4 pontos percentuais (p.p.) acima do observado no mês homólogo (14,0%). Por sua vez, a taxa de ocupação quarto atingiu os 37,9% (16,4% em janeiro de 2021).

No mês de janeiro de 2022, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 26,73 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +144,8% que no mesmo mês do ano precedente. Comparativamente ao valor de janeiro de 2019 (33,61 euros) registou-se uma quebra de 20,5%.

Quanto ao proveito por quarto utilizado (ADR) no alojamento turístico, este passou de 66,59€ em janeiro de 2021 para 70,50€ em janeiro de 2022, representando uma variação homóloga de +5,9%.

 

Estatísticas de Turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


Em setembro 2021

 

Estatísticas do Turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


Em agosto de 2021

Dormidas do alojamento turístico da RAM recuperaram ficando apenas 4,4% abaixo dos valores do mesmo mês de 2019

As estimativas referentes a agosto de 2021 revelam que 80,6% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (91,7% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que foi a hotelaria que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (84,6%), seguido do alojamento local com 80,3% e do turismo no espaço rural com 79,7%.
No mês de agosto de 2021, estimou-se um total de 875,9 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo de 210,9% em comparação com o mês homólogo (281,7 mil dormidas em 2020). Apesar deste aumento, o número de dormidas em agosto de 2021 ainda está 4,4% abaixo dos valores apurados em agosto de 2019 (916,5 mil dormidas), mas é superior ao de agosto de 2015. Indiscutivelmente, agosto de 2021 é desde o início da pandemia não só aquele que apresenta o maior número de dormidas, mas também o que demonstra menos redução face ao ano pré-pandemia de 2019.
De sublinhar que excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 226,3% relativamente a agosto de 2020, superior ao observado no país, que foi de 47,6%. Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos bastante expressivos em agosto de 2021, de 284,2% e 297,3%, respetivamente. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações positivas de 58,6% e 59,7%, respetivamente.
A hotelaria concentrou 80,6% das dormidas, crescendo 241,5% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 130,5%, congregando 17,2% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação, que absorveu apenas 2,3% das dormidas, correspondeu a um acréscimo de 101,8%.
De janeiro a agosto de 2021, as dormidas no total do alojamento turístico na Região registaram um incremento de 31,7% comparativamente ao período homólogo, rondando os 2,5 milhões, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram aumentos de 50,4% e 55,2%, respetivamente.
Analisando os principais mercados emissores, verificaram-se aumentos bastante significativos comparativamente ao período homólogo. O mercado britânico registou um crescimento de 492,0%, seguido do mercado francês (+239,1%) e do mercado alemão, com um aumento de 93,7%. O mercado nacional registou, comparativamente a agosto de 2020, +88,5% de dormidas em 2021. Em termos acumulados (de janeiro a agosto de 2021), o mercado alemão registou a maior quebra, com -39,7% de dormidas, seguido do mercado britânico com um decréscimo de 2,2%. O mercado português e o francês apresentaram, ao contrário dos outros mercados e para o mesmo período, crescimentos de 117,0% e de 75,6% relativamente ao período homólogo, respetivamente.
Comparando o período de referência com agosto de 2019, a atividade no alojamento turístico ainda apresenta, como atrás referido, um decréscimo de 4,4% nas dormidas, com o mercado alemão a registar a quebra mais acentuada, de -43,3%, seguido do francês com -38,9% e do britânico com -1,3%. O mercado nacional manteve a variação positiva que se tem verificado nos últimos meses, superando, também, os valores de agosto dos anos anteriores (+66,5% comparativamente a agosto de 2019).
O valor da estada média no mês de agosto registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,31 noites), fixando-se nas 5,13 noites.
A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência foi de 72,6%, 43,1 pontos percentuais (p.p) acima do observado no mês homólogo. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 78,5%.
No mês de agosto de 2021, o RevPAR rondou os 72,43 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +212,6% que no mesmo mês do ano precedente e +33,0% que no mês anterior. Comparativamente a agosto de 2019, o valor do RevPar registou um aumento de 22,6% (59,09 euros em agosto de 2019).
Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) passou de 75,70€ em agosto de 2020 para 92,21€ em agosto de 2021 (+21,8%).

 

Estatísticas do turismo na RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)


Em julho de 2021

Dormidas do mercado nacional apresentaram máximo histórico daquele mês

As estimativas referentes a julho de 2021 revelam que 67,0% dos estabelecimentos do alojamento turístico da RAM registaram movimento de hóspedes (80,8% da capacidade do alojamento turístico total) neste mês. Analisando por segmento, verifica-se que o turismo no espaço rural foi o que apresentou a maior percentagem de estabelecimentos do seu segmento com movimento de hóspedes (81,3%), seguido da hotelaria com 79,1% e do alojamento local com 65,6%.

No mês de julho de 2021, estimou-se um total de 606,2 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo bastante expressivo de 419,3% em comparação com o mês homólogo (no qual o movimento de hóspedes ainda era extremamente baixo devido às medidas restritivas de controlo da pandemia). Apesar deste aumento, o número de dormidas em julho de 2021 ainda está abaixo dos valores apurados em julho de 2019 (829,1 mil dormidas). De sublinhar que excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 470,5% relativamente a julho de 2020, superior ao observado no país, que foi de 71,9%. Os proveitos totais e os de aposento também apresentaram crescimentos bastante expressivos em julho de 2021, de 579,0% e 597,1%, respetivamente. No país, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações positivas de 87,0% e 81,0%, respetivamente.

A hotelaria concentrou 80,3% das dormidas, crescendo 524,0% em termos homólogos. Destaca-se o facto, de que no mês de julho do ano anterior, este segmento manteve 37,1% dos estabelecimentos abertos, originando apenas 78,0 mil dormidas. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 220,9%, congregando 17,4% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação, reuniu apenas 2,3% das dormidas, correspondendo a um acréscimo de 137,0%.

De janeiro a julho de 2021, as dormidas no total do alojamento turístico na Região registaram um decréscimo de 1,1% comparativamente ao período homólogo, rondando os 1,6 milhões, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram aumentos de 9,7% e 11,4%, respetivamente.

Analisando os principais mercados emissores, verificaram-se aumentos bastante significativos comparativamente ao período homólogo. O mercado britânico registou um crescimento de 3 631,3%, seguido do mercado francês (+710,1%). Já o mercado alemão, contrariou essa tendência, com uma quebra de 16,0%. O mercado nacional registou, comparativamente a julho de 2020, +225,7% de dormidas em 2021. Em termos acumulados (de janeiro a julho de 2021), o mercado alemão registou a maior quebra, com -55,9% de dormidas, seguido do mercado britânico com um decréscimo de 42,4%. Os mercado português e francês apresentaram, ao contrário dos outros mercados e para o mesmo período, crescimentos de 134,3% e de 31,0% relativamente ao período homólogo, respetivamente.
Comparando o período de referência com julho de 2019, a atividade no alojamento turístico ainda apresenta relativamente ao número de dormidas um decréscimo de 26,9%, com o mercado alemão a registar a quebra mais acentuada, de -85,3%, seguido do francês com -46,5% e do britânico com -26,1%. O mercado nacional manteve a variação positiva que se verificou no mês de junho, superando, também, os valores de julho de 2019 (+58,9%). Com efeito o número de dormidas do mercado português em julho de 2021 constituiu um máximo histórico.
O valor da estada média no mês de julho registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (3,98 noites), fixando-se nas 4,74 noites.
A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência rondou os 56,6%, 42,7 pontos percentuais (p.p) acima do observado no mês homólogo. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 60,5%.

No mês de julho de 2021, o RevPAR fixou-se nos 54,67 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +411,0% que no mesmo mês do ano precedente e +74,8% que no mês anterior. Se se comparar com os valores de julho de 2019, o valor do RevPar registou um aumento de 4,4% (52,35 euros em julho de 2019), invertendo a tendência dos meses anteriores.
Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) passou de 71,19€ em julho de 2020 para 90,40€ em julho de 2021 (+27,0%).

Indicadores de Turismo da RAM

Fonte: Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM)

Start typing and press Enter to search